terça-feira, 7 de setembro de 2010

PT do Paraná e o posicionamento do Pr. Paschoal Piragine Jr. sobre as eleições 2010

Veja como se constrói uma ilusão de perseguição à Igreja

1. O Pr. Piragine ataca o PT no púlpíto de sua igreja;

2. O presidente do PT reage;

3. A imprensa que vive de notícias coloca o debate no ar;
(lembremo-nos de que parte da imprensa está faminta por algo que possa levar a eleição para o segundo turno e, se possível, derrotar o governo Lula);

4. O Pr. Piragine, segundo a CBN, viaja para a Argentina;

5. Começa a circular e-mails de que a igreja de Jesus Cristo está sendo perseguida.

Adianto que não considero que esteja havendo perseguição contra a igreja. 

Sejamos objetivos: não estamos diante de perseguição espiritual ou religiosa. 

Há uma inevitável reação natural, numa campanha política acirrada no Paraná. 

Ao posicionar-se partidariamente no púlpito da igreja, cometeu-se um equívoco ético e legal e a reação é inevitável. O equívoco não foi a intenção de despertar a igreja para um voto consciente; foi combater um partido no lugar errado, com informações que precisavam de melhor fundamentação.

Portanto, o problema não é de perseguição religiosa, mas uma disputa política entre alguns pastores, representados pelo Pr. Paschoal Piragine e um segmento político, representado pelo PT.

Ouça a reação na imprensa do Paraná: 

5 comentários:

Anônimo 7 de setembro de 2010 16:19  

Minha primeira reação, antes de ouvir a resposta do PT foi a mesma:"Como falar ou proibir o aborto sendo um homem?? Pois é...

Roberto Melo 7 de setembro de 2010 19:24  

É nobre, acredito que já chegou em nossos arraiais os efeitos do último artigo do FHC, da capa da revista Veja desssa semana, sobre a ameaça da democracia num novo mandato petista.

Os discuros produzidos aqui são idênticos.

O que muda são as referenciais, que foram traduzidas para o debate religioso.

Engraçado, que não lembro no passado recente ninguém ir ao Púlpito para clamar por mais justiça e olha que o nosso cotidiano manifestações de ijustiça é que não falta.

Onde está o discurso da ética cristã ?

Este serve quando convém ?

Enquanto isso, os menos dasavisados embarcam nessa idéia.

Abraços

Daniel Vasconcelos... 7 de setembro de 2010 20:32  

Acabei de assistir ao tal do vídeo do Pr. Piragine.
Hilário!!
Ele elevou a "paranoia cristã" a níveis norte-americanos.
...
O PT é o culpado por todos os males da humanidade, até pela pedofilia o pobre do partido é o responsável, hilário!

Marcus Wallace 10 de setembro de 2010 15:39  

Olá sr. Edvar, boa tarde!

Não creio que isso se trate de perseguição a "igreja" HOJE! Não importa se católicos ou protestantes, após certas aprovações todos os que lutarem contra o aborto lutará contra o governo. O que seus princípios lhe falam sobre isso?
Após certas "outras" aprovações você perde o direito de ter um filho homem ou mulher e tratá-lo(a) como tal, caso ele(a) seja levado(a) por uma onde de permissividade respaldada pelo governo.
O que seus princípios lhe dizem respeito?

"Adianto que não considero que esteja havendo perseguição contra a igreja."
Cuidado com suas afirmações!

Sendo uma figura pública (pois seus escritos são abertos a qualquer pessoa), uma frase pouco pensada ao ser publicada pode acarretar um problema no qual o sr não terá condições de reparar.

Observe a história, não só a tua, mas a de cada candidato e perceba se num futuro próximo não há condições de o sr olhar para seus comentários e tristemente perceber que "deu um tiro" no próprio pé!

Falo como cidadão, como brasileiro, mas também falo como cristão, renascido em pátria celestial. Que prima pelos princípios de um reino que virá. Certamente virá!

Meu desejo neste depoimento é apenas de contribuir com o irmão e todos os leitores. Caso haja algo que o impeça de publicar este depoimento, me envie um e-mail ao menos dizendo em que posso estar equivocado e reparar meu possivel engano ok?

Paz e até mais.
Em Cristo e pelo reino,
Marcão.

Tenho dito 11 de setembro de 2010 14:05  

Primeiro, em nenhum momento o pastor falou em "perseguição". O que ocorre é que a sociedade está inerte a ação de uma malta que a guisa de democracia, o que eles odeiam, legitima-se no Brasil com aforça do assistencialismo e populismo. Alguns que se levantam contra e alertam são tachados de tudo, ocorre que se é uma democracia, o debate deveria ser visto como algo salutar. Agora é preciso coragem para sustenter uma posição que vai contra o que se considera politicamente correto. Cada um tem o direito, em si, embora tenha a reprovação de Deus em alguns casos, de fazer com o seu corpo o que bem quiser, o que não se pode é querer impor e criminalizar quem pensa e se levanta contra, defendendo suas convicções, sejam elas quais forem.
Tenho dito