sexta-feira, 19 de março de 2010

Ajuntamento - Jorge Camargo

Há fenômenos para os quais não encontramos explicação imediata. Refiro-me, agora, ao fato de que não consigo ouvir/cantar esta música sem que minha voz embargue e meus olhos encham-se de lágrimas. É algo sobre o qual não tenho controle (e como me sinto feliz hoje, cada vez que me vejo diante de situações sobre as quais não tenho controle, diferentemente do passado, quando agia como se fosse necessário ter tudo sob controle para sentir-me feliz!).

Seria, o motivo do choro, a junção de uma boa melodia, com uma boa harmonia, com uma boa execução, com uma boa letra? Seria pela letra que é uma oração? Seria porque a oração expressa, de ponta a ponta, algo que acredito e de que necessito? Seria pela profunda consciência de dependência que ela retrata? Seria por lembranças do passado, por “memórias emocionais” como, por exemplo, pela associação entre ela e momentos especiais que vivi na Igreja Emanuel, onde a cantei pela primeira vez? Seria pela consciência de pecado, presente na vida do pastor e igreja, que se maximiza nos ajuntamentos que chamamos culto?

Não sei, mas não importa. Como gosto de cantar, de ouvir musica e não me envergonho de chorar tenho todos os motivos pra continuar ouvindo-a.

E que rolem as lágrimas!!!

5 comentários:

Bruno Germano Dias 19 de março de 2010 21:52  

Podemos dizer que esta música é perfeita?

Glau 21 de março de 2010 16:05  

Tem dias que estamos sensíveis e mais perto do Criador e isto nos deixa vulneráveis às belezas, especialmente à beleza da música. E quando a letra, a melodia, o arranjo e a voz se completam, aí ela, a música, já disse a que veio.
Te amo meu Anjo!

Lia 21 de março de 2010 19:23  

A MIM ACONTEÇE O MESMO.. CHORO E CANTO AO MESMO TEMPO.. CREIO QUE SEJA A GRADIOSIDADE E O AMOR DE DEUS QUE SE EXPRESSA NA MÚSISA.

Anônimo 8 de abril de 2010 09:37  

Seria pela consciência da nossa impotência diante do pecado, a nossa fome e sede se justiça, da necessidade de pedir socorro ao único que pode transformar a nossa vida, ?
Seria pelo momento de solidão, onde as pessoas se comunicam em grande velocidade e número, mas continuam cada vez mais só? Seria por não sabermos para onde vamos quando tudo está perdido, porque sabemos que somos dele e queremos estar juntos dos nossos iguais para no proteger do mundo lá fora?
Seria pela verdade das letras que sendo viva, derrama na alma um renovo que despedaça todo o jugo?
O desespero e o mergulho na dor nos traz para os braços do Pai, sabendo que vou confortar-me com suas promessas e receber o "óleo"da unção que me faz continuar "caminhando e cantando e seguindo e chorando" na certeza incerta de que veremos a Luz e a justiça "dele"triunfar sobre nossas vidas.
S

Vannia LLopes 10 de abril de 2010 11:17  

Meu querido, esse maravinhoso "fenômeno" mas faz ter certeza que tenho um Pai me coloca no colo e me diz: Não temas, estou contigo.
Abraços
Vania Lopes