quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Recomendação de candidato a prefeito e vereador

Neste domingo, 07 de outubro, elegeremos prefeitos e vereadores de nossas cidades. Gostaríamos de recomendar que, para prefeito e vereador, você vote no candidato que melhor atenda aos critérios de compromisso ético e competência técnica. Por isso, vote no candidato que sua consciência mandar.

Em nossas igrejas batistas não somos curral eleitoral.
Vocé é tão inteligente quanto nós líderes. Em questões políticas, nós líderes também podemos ser informados, desinformados, mal informados ou cometer equívocos de escolhas, como você. Em nossas igrejas, respeitamos a pluralidade, incentivamos a autonomia individual e interdependência pessoal, sempre sob o senhorio de Jesus, conforme revelado nas Escrituras Sagradas. Desejamos, então, que todos possam escolher com liberdade e responsabilidade, pois é o envolvimento nos processos decisórios e o exercício consciente do voto que nos leva ao amadurecimento e ao aprendizado político.

Faça um levantamento dos problemas de sua cidade. Lembre-se especialmente dos empobrecidos, como aprendemos em Gálatas 2:10, e pense em quem seria melhor preparado eticamente e competente tecnicamente para o exercício das atribuições que os cargos exigem.
Antes de decidir, dialogue sobre o assunto com seus líderes, irmãos na fé, amigos e familiares. Voto não é um presente que damos à alguém; é uma procuração para alguém agir em nosso lugar. Jamais troque seu voto por amizade, muito menos por qualquer promessa de benefícios materiais, pois o preço sempre acaba sendo muito caro para todos nós, inclusive para você e sua família.

Pense nisso, antes de votar!


Edvar Gimenes de Oliveira é pastor da Igreja Batista da Graça, SSA, e presidente da Convenção Batista Baiana

2 comentários:

David Curty 3 de outubro de 2012 12:20  

Sempre muito claro e ético em seus posicionamentos. Parabéns.

Acrescento, com sua permissão, algumas premissas. Que o candidato tenha uma visão clara sobre a Religião ser livre (sem interferência do Estado) e que o Estado seja laico (sem interferência da Religião). É preciso avaliar os valores e princípios adotados pelo candidato e seu "partido" quanto ao respeito às religiões, inclusive à fé evangélica, a questões relacionados aos temas éticos, bioéticos, sociais e humanitários, além da competência para gestão, como já dito. Temas como aborto, homoafetividade, família, eutanásia, drogas, alianças políticas e outros mais, não podem deixar de ser avaliados. Que cada um reflita em atitude de devoção na sua escolha, vote e respeite a escolha do outro. Isso é democracia.

Anônimo 3 de outubro de 2012 16:22  

Muito bem ! Fico sempre muito tranquilo sabendo que nossas lideranças, compreendem e respeitam nossas individualidades, e o poder de livre arbitrio.