terça-feira, 15 de setembro de 2009

Auto-crítica ao movimento Missão Integral da Igreja

Confesso que me intrigam algumas percepções que tenho tido ao longo desses anos do movimento, com o qual me identifico e que norteou meus 26 anos de pastorado, conhecido como Missão Integral da Igreja. Minha relação com ele começou no final da década de 70, quando cheguei ao seminário, através de alguns professores em sala de aula, e, também, pelas relações eclesiásticas e interdenominacionais que mantinha em função de atividade na liderança de juventude.

Para os que não têm afinidade com o assunto, esclareço que o principal pilar do movimento é a compreensão de que o ser humano é multidimensional e suas necessidades, portanto, não são apenas em relação ao futuro, mas também ao presente.


Tal compreensão parece óbvia. Qualquer pessoa com conhecimentos medianos entende que a vida humana é composta de múltiplas dimensões como, por exemplo, espiritual, material, social, política, emocional e por aí vai.


A teologia, porém, que até então sustentava nossa prática evangelizadora, olhava para o ser humano como se fosse apenas espiritual e que as demais dimensões não tinham importância. Mais do que isso, além de perceber apenas a dimensão espiritual do indivíduo, a ênfase exclusiva era sobre o local onde se passaria a eternidade, se no céu ou no inferno.


Nesse contexto, o movimento enfatiza a compreensão teológico-eclesiológica que vinha sendo discutida desde a década de 60 e que ganha impulso em 1974, no Congresso Internacional de Evangelização, realizado em Lausanne, compreensão que advoga que uma igreja saudável não é aquela que existe exclusivamente para proclamar o evangelho, mas aquela que enfatiza igualmente, em seu seio, a adoração, a comunhão, a educação, a proclamação e o serviço.



(Diga-se de passagem duas coisas: 1) a definição de cada um desses cinco conceitos apresenta N variações; 2) Rick Warren, ao plantar a Saddleback Church, em 79, na Califórnia, hoje muito conhecida pelos “propósitos”, implementou tal visão eclesiológica na estrutura de sua Igreja).


O mérito do movimento foi resgatar a compreensão de que o ser humano é multidimensional e vive não somente em função do futuro, mas também do aqui e agora. Assim, o evangelho deveria apresentar respostas não somente para os diversos tempos – passado, presente e futuro - em torno dos quais a existência humana gira, mas também para as diversas necessidades que a humanidade experimenta.


O que me intriga?

Intriga-me a percepção de que teríamos saído de um extremo e caído noutro. Se antes a preocupação era exclusiva com o futuro, agora só nos preocupamos com o presente; se o espiritual dominava nossas atenções, agora ele foi descartado e nossas preocupações são puramente materiais.


O discurso em favor dos empobrecidos tem desconsiderado, não poucas vezes, as razões espirituais que também estão incluídas nas causas, atendo-se somente nas econômicas e políticas. Isso dá a entender que o ser humano, a quem antes eram apresentadas respostas somente para sua vida espiritual, deixou de ser um ser espiritual e agora é alvo somente de preocupações materiais.


Assim, a missão que anteriormente não era cumprida integralmente por enfatizar somente o espiritual, continua sendo cumprida parcialmente, apenas mudando o foco para o político, o econômico ou o ecológico, por exemplo.


Ouço poucos pensadores ligados ao movimento que emitem opinião sobre angústias espirituais que se manifestam na vida de enriquecidos e empobrecidos e, muito menos, que agem no sentido concreto de ajudar pessoas a encontrarem o caminho da vida mediante a confiança na graça divina manifesta no Cristo. Chego a pensar que Cristo passou a ser apenas uma figura de linguagem, uma metáfora, um meio para se alcançar finalidades políticas.


O fenômeno conversão religiosa, rarissimamente tratado, não o é como uma realidade que redireciona a existência de indivíduos, mas, quando muito, apenas na perspectiva dos efeitos sociais. Assim fazendo, ainda que se enfatize uma revisão de valores no que se refere à relação com o material, a impressão que fica é que o evangelho resume-se a relações econômico-sociais.


Se antes a missão era considerada parcial e, portanto, precisava ser ampliada para ser integral, hoje, por ter desprezado aspectos importantes da fé, como o mistério, a mística, as necessidades da alma, a missão, parece-me, continua sendo tratada de maneira parcial.


Compreendo que a quantidade de cristãos que têm uma visão integral da missão ainda está longe da desejada, porém, acredito que, se nós que enxergamos a integralidade do ser, desprezarmos quaisquer das dimensões humanas em nossas palavras e ações, nos tornamos passíveis das mesmas críticas que fizemos àqueles que, como eu, só se preocupavam com o céu, com o futuro da alma.


Será que estou equivocado e o que me intriga não procede?

13 comentários:

José Junior 15 de setembro de 2009 11:20  

é claro que procede...!

Vivemos o extremismo da preocupação com o bem estar do ser humano dentro da igreja. Concordando com o que você disse..parece é que o "Cristo" ..passou a ser nesses tempos ,uma referência para alcançarmos nossos anseios materiais / existencialistas.

Parabéns pela postagem e pelas sensatas ponderações.

15 de setembro de 2009 22:32  

Procedência clarissima!!!

Estamos vivendo uma realidade dentro e fora da Igreja, onde as pessoas procuram CRISTO como intermediador para alcançar suas vontades e desejos em todos os setores de sua vida.

Parabenizo-o pelas palavras postadas.

Jabes Nogueira Filho - pastor 16 de setembro de 2009 08:36  

Querido Edvar,
Mais uma vez estou ecoando suas palavras. Embora só tenha chegado ao seminário nos anos 1980, mas ainda me senti bastante influenciado pelo movimento.
Quando ao desdobramento hoje, é até verdade que muitos jogaram para nota de rodapé as questões espirituais; e talvez por conta disso deixamos florescer em nossas hortas evangélicas muita semente mística - e deu no que deu!!!
Já é hora de nossas igrejas evangelicais voltarem a alimentar a alma. Lembro ainda Agostinho quando sabia que o descanço da alma só acontece no Senhor.
Um abraço.

Willians Moreira 16 de setembro de 2009 10:13  

Prezado Edvar,

Consta-me que sua abordagem é deverasmente pertinente. Sua desconfiança procede certamente. Espero que, com você, outros enxerguem o mesmo.
Aqui, em Natal/RN, muitos que não fazem essa sua reflexão, estão realizando equívocos consideráveis.
Mais uma vez sua abordagem foi bem-vinda.
Saúde integral para você.

Cristina 18 de setembro de 2009 14:00  

Creio que sua visão é muito lúcida.
Acho, que no percurso que caminhamos, conscientemente envolvidos ou sendo levados como boiada, simplesmente seguindo os passos dos demais, fomos modificando, descartando, aprimorando, e deixando coisas muito significativas para trás. Não falo isso com saudosismo, falo com consciência de perda, e significativa.
Sugiro que acrescente um pouco mais adicionando a sua vasta leitura um clássico chamado "O dossel sagrado..." de Peter Berger e outro, a Sociologia da Religião de Faustino Teixeira.
Abraços
Cristina Nóbrega

Ps.Gosto de ler o que você escreve.

Anônimo 19 de setembro de 2009 12:28  

A FALTA DE DISCERNIMENTO ESPIRITUAL ESTÁ LEVANDO MUITOS A QUEDA

http://apocalipsetotal.blogspot.com/2007/12/o-parlamento-mundial-das-religies.html

http://apocalipsetotal.wordpress.com/

B. 21 de setembro de 2009 12:07  

é sempre bom falarmos de temas relevantes como religião.. adorei seus textos e sua visão... se der passa no meu blog:

http://pequenab.blogspot.com/

:D

Anônimo 24 de setembro de 2009 15:44  

Estou no seminário atualmente e também fui seduzido pela Teologia da Missão integral, tanto que vou versar sobre tema na minha monografia. Mas, como sempre, as reflexões do Pr. Edvar são esclarecedoras e provocantes. Para ser integral, a missão da igreja precisa alcançar todas as dimensões da humanidade. E essa é a proposta do movimento evangelical, mas, como quase sempre acontece, criamos um grande hiato entre o que versa a teoria da Missão integral e a nossa prática. Espero que o congresso Transformando a Missão que ocorrerá na I.B. da Graça de 08 a 10 de outubro, aborde essa perspectiva. Sugiro inclusive que o próprio Pr. Edvar assuma o compromisso de ser aquele que "profetizará contra os pecados" desse movimento que se autocompreende como profético.

P.S. Pr. Edvar, elaborei um questionário para entrevistar algumas pessoas ligadas ao movimento. O senhor poderia me conceder o privilégio dessa entrevista?

Abraço fraterno,
Danilo F. Gomes danilodfg@hotmail.com

Jorge Henrique 25 de setembro de 2009 07:44  

Sábias palavras, Edvar!
'Nem anto ao mar, nem tanto à terra'. É a única maneira de sermos verdadeiramente 'integrais'.

Vitor Cid 27 de setembro de 2009 09:31  

Ponderações excelentes cara!!! Eu não conhecia teu blog, cheguei aqui pelo Pavarini. Tem um conteúdo excelente... parabéns! Depois visite o meu blog também =)

Então, sobre o assunto: realmente eu vejo uma tendência atual e que está retratada em apocalipse:

"Escreve ao anjo da igreja que está em Éfeso: Isto diz aquele que tem na sua destra as sete estrelas, que anda no meio dos sete castiçais de ouro: Conheço as tuas obras, e o teu trabalho, e a tua paciência, e que não podes sofrer os maus; e puseste à prova os que dizem ser apóstolos, e o não são, e tu os achaste mentirosos. E sofreste, e tens paciência; e trabalhaste pelo meu nome, e não te cansaste. Tenho, porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor." Ap. 2.1-4

Até quando a igreja continuará na luta desenfreada por interesses tais que deixam o amor de Deus em segundo plano? Me deixa triste e angustiado esse fato... quanto mais enfâse você der ao realizar as boas obras em detrimento da vida espiritual da comunidade, mais você terá problemas quanto ao distanciamento do primeiro amor.

As boas obras são importantes! Porém mais importante é o primeiro amor.... isto não poder ser jamais e sob hipótese alguma perdido ou relegado a planos secundários...

Ah... muito boa a música do Pedro Abrunhosa

Hermes C. Fernandes 27 de setembro de 2009 17:10  

Apreciei muito a sua reflexão.E também a boa música do Pedro Abrunhosa.

Parabéns pelo blog! Já estou seguindo!

Aproveito para lhe convidar a conhecer o meu blog, e se desejar também segui-lo, será uma honra.

Seus comentários também serão muito bem-vindos.

www.hermesfernandes.blogspot.com

Te espero lá!

Anônimo 28 de setembro de 2009 13:50  

Isso me soa como um escapismo mais fácil. Se a missão integral é integral, sim incluiria o espiritual. Mas eu não acredito nesses dualismos simplistas. Estamos tão longe de uma contextualização e de práxis saudáveis na América Latina que a crítica soa como um alívio para o desleixe teológico. Como leigo posso até compreender esta crítica e concordar parcialmente. Mas temo que ela alimenta esse grande escapismo teológico onde as verdades são vapor no ar e os púlpitos estão cheios de Mumbojumbo. Não terei menor expectativa quanto a quaisquer alternativas à Missão Integral. Pastores históricos: subi ao monte e ali montai mais tendas.

Aprendiz 13 de março de 2014 23:35  

A TMI já no seu começo, apregoou uma falácia. Não pé verdade que antes do surgimento da TMI o cristianismo não se interessasse por nada além das questões espirituais. Isso pode ter sido verdade numa época específica no Brasil, num ramo particular do cristianismo. Mas ao longo dos séculos, bem ou mal, o cristianismo sempre interagiu com a sociedade em todos os seus aspéctos. O cristianismo moldou a civilização ocidental, criou as universidades, popularizou a cultura clássica (o pregador avivalista Wesley foi a primeira pessoa a traduzir muitas obras clássicas do grego e latim para o inglês, e publica-las em edições baratas), popularizou a alfabetização, inventou e difundiu os hospitais, cuidou de orfáos, viúvas e pobres, visitou os enfermos, os enlutados e os presidiários, aboliu a escravidão, criou o conceito de dignidade implícita ao ser humano, produziu obras musicais de primeira grandeza, desenvolveu a arquitetura, a agricultura, as máquinas, a ciência.

Ao dizer que toda a vida do homem merece atenção, a TMI se fez reinventora da roda, tomou para si glória que era dos antepassados.

Além disso, antes da TMI muitos julgavam que se devia dar aos pobres acima de tudo, autonomia, que ele cada vez mais andasse com as próprias pernas. Aprender a ler, ter qualificações, tornar-se menos independente, e depois ele mesmo, que antes era dependente, também ajudar a resgatar outras pessoas. A TMI, ao contrário, busca a dependência eterna do pobre ao estado, o assistencialismo sem fim.

Antes da TMI, os diversos aspectos eram considerados na situação do pobre. Algumas famílias estão em má situação por terem baixos ganhos, em outras, o principal problema é um vício dos país, em outras, o principal problema é a falta de carinho, de cuidado. Na TMI, tudo se resume a dinheiro, dinheiro, dinheiro. O pobre é o oprimido-padrão, todo os seus problemas se resumem à falta dinheiro (ou à falta de conscientização de que deve exigir receber dinheiro).

Finalmente, sendo a TMI uma teologia fundada no "liberalismo teológico", é mais que natural que a sua conseqüência seja atrofia espiritual.