segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Meu problema com uma operadora de celular

Oi, você já teve algum problema com operadora celular? Eu acabo de ter um.

O problema inicial foi meu. Efetuo os pagamentos dos investimentos mensais que faço através de débito automático. Cartões de crédito, energia elétrica, previdência social e telefones são pagos entre 1 e 12 de cada mês, com concentração entre os dias 5 e 7.


Antes de sair de férias no dia 1, entrei em minha conta pela internet, somei o valor do que venceria naqueles dias e transferi o dinheiro da conta de poupança (onde meu salário é depositado) para a conta corente (onde os débitos são pagos).


Viajamos tranquilos, nos instalamos na casa da matriarca, lá em Garrrrça e, somente depois que a grana do bolso acabou, procurei um caixa eletrônico. Aí começou minha novela, pois descobri que havia errado nas contas, a CC ficou sem saldo suficiente e as contas do telefone retornaram por falta de saldo.


Imeditamente transferi novos valores, mas a operadora não reapresentou as contas. Então, fiquei sem poder fazer ligações.


Inicialmente ligava para os número indicados pela operadora, mas nada de conseguir. Viajamos para Brasília e, no caminho, entrei em Itumbiara (GO) fui ao BB, a gerente disse-me que não me preocupasse pois a operadora reapresentaria. Continuei a viagem tranquilo.


Em Brasília tudo continuou igual. A operadora não reapresentou a cobrança, o telefone de acesso indicado não atendia nem ligando do fixo do Hotel, nenhum caminho encontrado pra resolver via internet e assim passei os dias viajando, sem poder fazer ligações.


Imagine, sem celular, como faria os acordos com os amigos para almoçar, compartilhar carona? Como encontrar Gláucia em meio a multidão? Bobagens, é verdade, mas a irritação se dava por estar na era da internet e não conseguir resolver algo simples como pagar uma conta.


Voltei pra Salvador sem poder fazer ligações, torcendo pra não ter problemas na estrada e, chegando em casa, comecei tudo de novo.


Em Salvador os número de atendimento da operadora funcionaram, mas a atendente era virtual. Ela até se esforçava para me ajudar, mas nenhuma das palavras para as quais foi programada a ouvir e apontar caminhos fazia parte exatamente do vocabulário do meu problema.


A impaciência aumentava quando me lembrava que eu estava "falando" com uma máquina burra e não com uma mulher de carne e osso. Me sentia ricículo! Interjeiçoes variadas brotavam de minha alma, mas meu superego, representado pelo pastor que sou, não permitia que eu dissesse, mesmo a uma máquina, aquilo que meu ego recomendava.


Com algum tempo de experiência descobri que, se usasse seguidamente palavras diferentes das que ela esperava, surgia na "boca dela" a alternativa de ser encaminhado a atendente de carne e osso. Eureka!


Assim procedendo cai nas mãos, digo, nos ouvidos, de uma mulher. Nunca ansiei tanto por falar aos ouvidos de uma mulher!


O problema é que ela me disse: o sistema está fora "do ar" e somente poderemos saber se o senhor pagou a conta, daqui a meia hora, quando ele voltar. E arrematou um dolorido gerundismo: quando o sistema retornar vou estar checando sua informação.


Liguei uma hora depois pra não dizer que estava impaciente. Novo processo com a virtual. Novo tempo enganando-a pra ser encaminhado a uma de carne e osso e nova resposta que o sistema estava fora "do ar".


E assim se repetiu diversas outras vezes!


Perdi as estribeiras, perdi a batalha e o telefone voltou a funcionar somente quando o sistema da operadora quiz.

Oi, você quer saber o nome da operadora?

1 comentários:

mila 19 de fevereiro de 2009 17:45  

Já fui operadora de telemerketing e cliente de telefonia móvel e cartão de crédito. Sei como funciona os dois lados e posso garantir: é extremamente desagradável a ambos...
Se de um lado há um cliente desesperado querendo resolver uma situação e sendo irritado por uma máquina "desinteligente", do outro há atendentes de carne e osso que "já não aguentam mais" as diversas horas de clientes revoltados que precisam extravasar suas revoltas e que encontram o "fim da picada" no "Sr, o sistema encontra-se inoperante nesse momento, por favor 'queira retornar' a chamada dentro de alguns minutos...", com isso, são os coitados, que são pagos para representar a empresa, que acabam sofrendo, seja imaginando o que pessoas educadas pretendem dizer, mas, por empatia, não dizem, ou até ouvindo o que pessoas sem educação, mas, com razão, dizem (e muito!). Assim, leis e normas vem e vão, tecnologias se expandem, os lucros dessas empresas também, mas, a melhoria desse tipo de serviço ainda não é fato. Não há investimento por parte dessas empresas no que se refere ao atendimento dos clientes que já estão com eles. Só na busca de novos clientes que serão tão ou mais mal atendidos do que os que já existem junto à empresa.