segunda-feira, 30 de julho de 2012

Democracia, liberdade de Imprensa e Religiosa - 26.07.12 - 95/100 dias de oração pelo Brasil

Enganam-se aqueles que acreditam que democracia, liberdade de imprensa e de religião são temas consolidados que, portanto, não devem merecer nossa atenção.  Na verdade, sempre haverá conspiração contra, simplesmente porque são relacionados a uma das maiores dificuldades humanas: lidar com o poder.

A luta pelo poder é constante. É algo a ser decidido a cada momento de nossas vidas. E as três áreas citadas não ficam fora disso, muito pelo contrário.


Há, por exemplo, defensores da democracia, desde que ela lhes favoreça. No momento em que a prática da democracia diminua seu poder para manter sua vida do jeito que acredita que deveria ser, que venha a ditadura.


Democracia não é somente o direito que temos de eleger nossos representantes ou aqueles que vão dirigir os rumos da sociedade em que vivemos. É também participar das escolhas de quem vai concorrer aos cargos; é ter acesso à todas as informações relacionadas ao uso do dinheiro que pagamos em impostos para manutenção da boa qualidade de nossas vidas; é poder interferir quando algum dirigente não faz aquilo para o que foi eleito; é poder lutar para que a justiça e a solidariedade prevaleçam em todos os tipos de relacionamentos sociais, por exemplo. Nesse sentido, a democracia brasileira é um bebe.

A democracia batista, tão decantada em nossos livros e discursos, não fica atrás. Somos um retrato do meio no qual estamos inseridos e, a despeito das afirmações teóricas que fazemos sobre o assunto, ainda não somos, seja nas igrejas ou instituições denominacionais, aquilo que poderia ser chamado de modelo de democracia que desejamos para o pais.


Isso se dá também na "imprensa batista".  Nela também não somos aquilo que discursamos ou que elogiamos em determinados momentos da história. A liberdade de imprensa ocorre desde que seja para elogiar dirigentes, fortalecer a propaganda daquilo que nós dirigentes acreditamos ser o melhor ou, pelo menos, para não tocar em pontos nevrálgicos do funcionamento da máquina. Exatamente como acontece na imprensa brasileira.


A imprensa é um campo de futebol onde, de um lado estão seus dirigentes, do outro, aqueles que discordam deles. Do outro lado das 4 linhas, esclareço, pois dentro delas, é como pelada de amigos para arrecadar fundos.


A internet está democratizando a informação, mas há países que a tem sob controle. E não pensem que no nosso não exista quem queira controlá-la!!! Controlar a imprensa é controlar a informação e controlar a informação é deter o poder.


Quanto a liberdade de religião, somos defensores dela, desde que seja para divulgar nossas crenças. Uma "despretenciosa" proposta apresentada na última assembléia da Convenção Batista Brasileira, definindo que nossos seminários deveriam passar a imagem de que são conservadores, demonstra bem a atenção que a liberdade de religião merece. Hoje a idéia aparentemente inocente é apenas fortalecer a imagem de conservadores (há quem enxergue virtude em abrigar-se sob rótulos ou tira proveito disso, sem aprofundar seus significados políticos na história). Amanhã define-se "piedosamente" quem pode ser considerado conservador. No final, resta a fogueira para quem for classificado pelos detentores do poder da "santa inquisição", como não sendo conservadores.


Visitei, sábado passado, "El Museu de la Inquisicion", em Córdoba, Espanha. Sai meio que deprimido com o que vi. A fogueira pareceu-me sobremesa, diante dos instrumentos usados para torturar "hereges". Ler como cada um era usado e em que casos era aplicado fez minha alma doer. Sai ainda mais convencido da importância de lutarmos pela liberdade religiosa, inclusive nos arraiais batistas. Precisamos orar e vigiar para não permitirmos, sob que motivos forem, que a liberdade de pensamento e crença seja ameaçada, dentro e fora da denominação em nosso país. A ausência dela já causou muito dano ao longo da história.


Abraços do seu pastor,

1 comentários:

Utahy 19 de setembro de 2012 13:17  

Edvar, vou usar este texto na edição de novembro. Qualquer problema, me avise. Está ótimo, o texto.