quinta-feira, 30 de julho de 2009

Crise de identidade batista ?

No (e em) princípio era batista.

Depois surgiu um grupo que era, além de batista, bíblico.
Não fui com ele, 

então disseram que eu era herege.

Surgiram então os regulares, ortodoxos.
Não fui com eles 

e disseram que eu era irregular, héterodoxo.

Surgiram os conservadores.
Não fui com eles, 

então me carimbaram como progressista.


Surgiram então os do 7º dia.
Não fui com eles, 

pois não queria ser sabatista, só batista.


Surgiram então os renovados.
Não fui com eles 

e disseram que eu era tradicional.

Surgiram então os reformados.
Não fui com eles 

e disseram que eu era envelhecido.

Surgiram então os independentes.
Não precisei ir com eles, 
pois já me sentia assim, mas
 fui chamado de institucionalizado.

Surgiram os radicais.
Não me uni a eles, 
por isso fui chamado de centrista.

Surgiram então os fundamentalistas.
Não fui com eles 

e disseram que eu era liberal.


Surgiram os neo e os pós-pentecostais.
Não fui com eles,

 então disseram que eu era um "Brastemp", racionalista.


Surgiram os "com propósito".
Não fui com eles, 

então disseram que eu era desnorteado, sem rumo.


Surgiram também os da "Rede".
Não cai nela 

e disseram que estava me afogando.


Surgiram os do G12.
Não fui com com eles, 

por isso disseram que eu era sem visão.


Mantive-me batista, 
sabendo que a história não havia chegado ao final, 
eis que agora surgem os históricos.
Será que receberei o adjetivo "a-histórico" (ou "Anistórico"?) ou soará melhor "pré-histórico"?

Bem, outros tipos de batistas existem por aí e muitos novos pra sempre surgirão.

Não vou com eles, nem contra eles, pois isso também é ser batista: poder ir ou ficar livremente

Sou batista porque ser batista é não ter, mas poder ser a própria crise de
identidade e se aceitar e se assumir assim.

É conviver como que "quanticamente", 
num harmonioso estado de
tensão,
inclusive na contramão
dos apocalipsistas de
plantão.

Se alguém se ofender, peço, antecipadamente,
perdão,
pois não foi esta a minha
intenção!!! 
PS.: A igreja da qual sou membro é filiada às convenções batistas baiana e brasileira e à Associação Batista do Salvador. Haja reuniões!!!

PS.: Está surgindo a nomenclatura "batistas clássicos". Será que ser batista contemporâneo se tornará pejorativo?

xxx

FUNDAÇÃO DAORGANIZAÇÃO BRASILEIRADE BATISTAS HISTÓRICOS(OBBH)

"No último dia 25 de julho de 2009 ocorreu a reunião organizatória da Organização Brasileira de Batistas Históricos, nas dependências da Igreja Batista Central de Bangu, no Rio de Janeiro.


A reunião contou com cerca de 30 participantes, irmãos e irmãs oriundos de diversas igrejas batistas do Rio e alguns de outros lugares (Belo Horizonte, Recife e São Paulo).


Na pauta da reunião estava a discussão sobre a viabilidade de criação dessa nova agremiação batista, que tivesse como característica valorizar e vivenciar os princípios históricos que sempre foram distintivos dos batistas, buscando, assim, reunir igrejas e crentes no afã de propagar o amor à Cristo, às Escrituras Sagradas, à obra missionária e consequentemente a fomentação da cooperação com nossas juntas missionárias na obra evangelizadora.

(Presentes ao evento)
A sua primeira diretoria ficou assim constituída: PRESIDENTE: Pastor Dinelcir de Souza Lima, pastor titular da Igreja Batista Central em Bangu, RJ; VICE-PRESIDENTE: Pastor Wilson Franklim de Vasconcelos, pastor titular da Igreja Batista em Vila Jaguaribe em Magé, RJ; SECRETÁRIO: Diácono Edson Cavalcante dos Santos, Igreja Batista em Vila Jaguaribe, em Magé, RJ.



(Pr. Wagner Antonio de Araújo junto com a diretoria eleita:Pastor Dinelcir (Presidente), Pastor Wilson (vice-presidente) eDiácono Edson (Secretário) )
Foram formadas duas comissões especiais: uma para a elaboração do Estatuto, e outra para a elaboração do Folder explicativo. Planeja-se realizar outras três reuniões: uma em Belo Horizonte e outra em São Paulo. As datas serão anunciadas em breve, tão logo se consiga organizar o local que as abrigará.
Em termos de comunhão, o encontro contou com um espírito fraterno e abençoador. Como todos partilhavam das mesmas opiniões quanto aos exageros que atualmente caracterizam parte das manifestações eclesiásticas, a reunião deixou bem patente o desejo de se destacarem os verdadeiros valores do culto cristão, da música sacra cristã, o desejo de se primar pela valorização de nossos hinários (C.C. e H.C.C.) e o repúdio ao neopentecostalismo. Contudo, ainda que haja esse protesto, não há nenhum desejo de separatismo da CBB ou convenções estaduais, pois a organização não veio para dividir, mas para somar e inspirar.
A reunião tomou todo o período do dia 25 de julho de 2009. O grupo foi muito bem recebido e tratado pelos irmãos da Igreja Batista Central de Bangu e pelo carinho e carisma de seu querido pastor, Dinelcir de Souza Lima. Esperamos que a reunião de Belo Horizonte seja tão boa quanto a de Bangu. Informou o partícipe Wagner Antonio de Araújo, relator da Comissão de Estatuto e membro da Comissão de Elaboração do Folder Informativo." (Texto e fotos veiculados na internet)

4 comentários:

Jabes Nogueira Filho - pastor 30 de julho de 2009 17:21  

Querido Edvar,
Também tomei conhecimento da organização desta OBBH e andei lendo alguns artigos publicados por eles. Como sempre, em casos como este, parece-me que possuem A hermenêutica correta da verdade e da história o que, é claro, torna dispensável o diálogo!
Sinto falta do Vento citado por Jesus a Nicodemos.
Se não tiver outra utilidade tal nova organização, serviu pelo menos - e muito bem - para você publicar este texto sobre a crise de identidade batista (veja como Rm 8:28 se cumpre!)
E já que compartilho desta "batisticidade" (eita palavrório!), permita-me enriquecer nosso blog com suas palavras.
Um abraço

Pr. José Crispim da Silva Santos 31 de julho de 2009 22:54  

Depois da maratona de 15 dias de Trans Sergipe (Siriri) - ainda não acabou, amanhã é o culto da vitória - e ouvir de um sem número de pessoas da cidade que "se fossem mudar de religião, seriam batistas".
Fiquei a meditar: E eu? Para onde irei? Concluí que a melhor opção é seguir o conselho do irmão Pedro, o apóstolo: "Para quem iremos nós?"

Que o Senhor continue abençoando sua vida e ministério.

Pr Dinelcir de Souza Lima 14 de agosto de 2009 00:49  

Caro Pastor Edvar
Fiquei feliz em encontrar seu texto em que faz referência à OBBH e transcreve artigo sobre a sua criação.
Apesar de toda a beleza do seu texto, louvável em todos os aspectos, gostaria somente de tentar fazê-lo observar que não estamos formando, nem pretendendo formar, uma nova denominação, ou Convenção, ou mesmo Associação nos moldes tradicionais da CBB. Estamos apensar nos organizando como um grupo de pessoas e igrejas que se dedicarão ao incremento da manutenção dos princípios históricos dos batistas.
Grande abraço
Pr Dinelcir

Edvar 27 de junho de 2011 09:28  

Acabo de conhecer mais uma nomenclatura batista: "Comunhão Batista Clássica", no comentário deste belo texto: http://alfredooliveiras.blogspot.com/2011/06/servos-de-deus-servos-na-denominacao.html